quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Hoje recebi de uma amiga e colega de Movimento Estudantil o link de uma coluna da revista Veja sobre o Movimento Passe Livre e as manifestações contra o aumento das tarifas do transporte "público" daqui de São Paulo. Li até o final sem acreditar no que estava escrito.

Pois bem, escrevi alguns comentários que não conseguiram ficar guardados:

"Os parlamentares foram ELEITOS, representam a sociedade. Os seus 'depredadores' não representam ninguém — nem mesmo os que andam de ônibus, já que esse não é o caso deles." A pessoas na rua, protestando por seus direitos de ir e vir não representam a sociedade? Representam muito mais do que os muito bem pagos seres eleitos para o "poder" que normalmente ficam a parte da realidade da sociedade.
"Vocês pagam para que eles tenham acesso a informações qualificadas, não para se comportar como vândalos 'em nome da cidadania'." Faz parte de uma boa educação o conhecimento do que acontece no mundo. Viver em uma "bolha", distante da realidade, não é saudável e muito menos promissor.
"Professores, geralmente daquela terra-de-ninguém chamada 'área de humanas', estão incitando os estudantes a 'participar' do que seria um movimento de cidadania." Terra-de-ninguém a área das humanas? Tenho medo do que este tal de Reinaldo Azevedo considera como uma boa formação para os nossos jovens.
E quanto à passagem que continua abaixo do custo, o salário mínimo também continua MUITO abaixo do digno para um trabalhador.

Cada vez mais percebo que a Veja é uma péssima revista. Publicar isto... Faz favor!

4 comentários:

Ruan disse...

É verdadeiramente lastimável que esse tipo de pensamento permeie por entre as mentes de grande maioria dos pais desses alunos.

Mais execrável, porém,são os pais que sequer filtram o que leem e cometem o crasso erro de aprovar ou consentir a estupidez e falta de esclarecimento de um escritor (?!?) que sabe-se lá por que cargas d'águas é um "formador de opinião".

Grande merda é esse cara, isso sim.

Suzi Mossmann disse...

Revoltante. Fiquei incrédula, li e reli, não parecia verdade o que estava lendo e vou citar apenas alguns pontos que precisam ser enfatizados:
Primeiro que alguém considere o que vivemos uma "democracia", e mais, que apesar de escrever para pessoas e lidar com pessoas tenha tido a infelicidade de ofender a área de humanas... ainda mais se dizendo capaz de realizar "análises políticas"..
Outro ponto, além de não entender absolutamente nada sobre a linguagem e ser apenas um explorador barato da gramática, esse sujeito, concordo plenamente, não faz ideia do papel da educação e do educador. Admira-me ou Me admira, mesmo, que alguém que critique e apedreje deselengantemente tenha ainda espaço, deve ser por esse e outros motivos que ele pensa ser ISSO, uma democracia.

Anônimo disse...

Porque vocês não vem à SP levar um pouco de borrachadas da PM, ao invés de escrever essas ladainhas? Na boa Talita, vc é bonitinha, mas esses seus ideais estudantis são um lixo. Se preocupe e se formar professora e venha aqui fora enfrentar a realidade.

Talita Wuerges disse...

Olá, Anônimo. Por que você não se identifica?
Para sua informação, eu moro em São Paulo e já participei de algumas manifestações do tipo - não aqui, mas em Florianópolis. Nunca levei bala de borracha, mas já fui atingida por spray de pimenta e outros tipos de agressões.

Ideais ESTUDANTIS? Desculpe-me, mas são ideais sociais e políticos. Eu não quero estudantes com uma boa mobilidade, eu quero toda uma sociedade que tenha condições DIGNAS de se locomover em nas cidades, seja ela qual for.
É um absurdo o valor que se paga no transporte dito público em várias cidades do nosso país. E não é só o valor, mas também a situação do transporte, que facilmente fica lotado, tornando as viagens desagradáveis e muitas vezes quase insuportáveis.
Você anda de ônibus, metrô ou trem? Parece que não.